Sistema de Gerenciamento de Incidentes

Incidentes são eventos que envolvem ameaças e perigos independente da causa, tamanho, localização ou complexidade que podem gerar acidentes fatais, danos a propriedades e ao meio ambiente. Por exemplo, uma forte chuva fora da média pode causar acidentes fatais por acidentes fatais por afogamento ou pessoas soterradas por deslizamentos de terras. A chuva é um incidente e as mortes são acidentes.

Para todo incidente deve haver uma resposta planejada para evitar acidentes. A Defesa Civil quando detecta um incidente aciona um plano para remover as pessoas de áreas de risco para evitar acidentes. Existem inúmeros incidentes e, consequentemente, devem existir igual quantidade de planos para evitar acidentes. Planejamento sem simulações não são efetivos. Por isso, que os bombeiros simulam incidentes e acidentes para treinar as pessoas a enfrentar situações reais. Devido à complexidade do processo é necessário um Sistema de Gerenciamento de Incidentes (SGI). O SGI é uma abordagem sistêmica e proativa para orientar órgão públicos e agencias de todos os níveis do governo e do setor privado para trabalhar em conjunto para gerenciar incidentes.

Incidentes, normalmente, começam e terminam localmente e devem ser gerenciados no menor nível geográfico, organizacional e jurisdicional possível. Existem casos onde o sucesso das ações depende do envolvimento de múltiplas jurisdições, níveis de governo, órgãos funcionais e outras entidades de respostas a situações de emergência. Isso exige coordenação eficaz e eficiente entre todas as organizações envolvidas e atividades.

As comunidades são as mais beneficiadas com os sistemas de gerenciamento de incidentes e devem, além de exigir sua implantação devem fiscalizar e contribuir para o seu efetivo funcionamento, incluindo simulações periódicas.

Os planos locais devem estar integrados com os planos estaduais e federais. Deve existir um processo de acionamento de níveis superiores, com critérios bem definidos, para garantir recursos adicionais para evitar maiores impactos negativos. O foco deve ser na prevenção, proteção, mitigação, resposta e recuperação. O planejamento inclui ações para enfrentar riscos relacionados a enchentes, deslizamentos de terras, rompimento de barragens, ataques cibernéticos provocando apagões de energia, por exemplo, e derramamentos de produtos químicos ou vazamento radioativo.

O planejamento deve definir processos organizados para toda a comunidade, abrangendo seis partes:

  1. Identificação e avaliação de riscos. Essa parte envolve a coleta de dados históricos e recentes sobre as ameaças e perigos existente, potenciais e percebidos. Os resultados das avaliações de risco formam a base para as etapas seguintes.
  2. Dimensionamento de capacidade. Deve-se determinar os recursos necessários e as atividades para melhor enfrentar os riscos. Alguns recursos podem já existir e outros devem ser desenvolvidos ou melhorados.
  3. Desenvolvimento dos recursos de apoio. Havendo recursos próprios limitados deve-se priorizar a mitigação de riscos daqueles com maior probabilidade de ocorrência e riscos a comunidade.
  4. Planejamento de operação. Como os esforços de mitigação de risco envolve e afetam as comunidades é necessário compartilhar os planos e coordenar as ações com organizações das comunidades e outros órgãos.
  5. Validação do planejamento. É fundamental que as ações planejadas sejam testadas para identificar lacunas nos procedimentos e na capacidade de recursos previamente estimada.
  6. Revisão e atualização. É importante revisar e atualizar regularmente os planos, os recursos e as atividades.

Cidades inteligentes utilizam a tecnologia para gerenciar os planos de ação, registros históricos, monitoração em tempo de condições que possam provocar incidentes e educar a comunidade para tomar as ações quando ocorram.

O uso de smartphones e redes sociais são importantes ferramentas para orientar e compartilhar os planos de mitigação de incidentes. Lembrando que a informação é uma das principais aliadas no controle e conforto das pessoas.

Deixe uma resposta