Indicadores de serviços e qualidade de vida das cidades

Como selecionar uma cidade para instalar uma fábrica, um escritório ou mudar-se para ter melhor qualidade de vida? Para convencer investidores e atrair talentos as cidades devem criar atributos de valor que se destaquem no cenário nacional e internacional, uma vez que a competição é global. A ISO 37.120 que aborda o desenvolvimento sustentável de comunidades definiu 17 áreas temática que somam cerca de 100 indicadores para serviços e qualidade de vida nas cidades. Por ser uma norma internacional estabelece um padrão para comparar o desempenho das cidades e, consequentemente, de seus governantes. O cenário competitivo internacional e a norma acabam definindo um novo paradigma de gestão de cidades. Os planos de governo devem se apoiar no desenvolvimento de programas e projetos para melhorar esses indicadores e criar diferenciais inovadores. Os indicadores são isentos de ideologias políticas e formas de governo, eles são orientados a eficiência de gestão do executivo municipal em definir e executar ações para a população e desenvolvimento econômico com equilíbrio financeiro.

As 17 áreas temáticas são listas no quadro abaixo:

INDICADORES INDICADORES
1. Economia 10. Segurança
2. Educação 11. Habitação
3. Energia 12. Gestão de Resíduos Sólidos
4. Meio Ambiente 13. Telecomunicações e Inovação
5. Finanças 14. Transporte
6. Incêndio e Resposta a Emergências 15. Planejamento Urbano
7. Governo 16. Águas Residuais
8. Saúde 17. Água e Saneamento
9. Lazer

A ISO 37120 define 46 indicadores fundamentais e 54 indicadores de apoio, ou seja, desejáveis. A norma foi lançada em 2012 contando com o apoio de mais de 20 países. A vantagem da norma é o estabelecimento de uma metodologia internacional para medição dos indicadores, criando um critério uniforme de comparação entre as cidades e comunidades.

O desempenho das cidades não está relacionado com seu tamanho e sim com a eficiência de seus mandatários e dos órgãos administrativos. O porte da cidade acaba prevalecendo em disputas por grandes infraestruturas para atender as necessidades de grandes empreendimentos.

Entretanto, a união de cidades das microrregiões através de parcerias e consórcios públicos para obras e serviços comuns aumentam as chances de competição com grandes centros urbanos. A colaboração entre cidades viabiliza ganhos em escala para aquisição de materiais e equipamentos e contratação de serviços, acelerando a melhoria de vários indicadores.

Deixe uma resposta