Economia compartilhada no turismo pode gerar receita extra para os cidadãos

O avanço da tecnologia aplicada a economia colaborativa, como o modelo de negócios do Uber e Airbnb, pode alavancar o turismo nas cidades inteligentes e gerar rendimentos extras para os cidadãos. Os serviços compartilhados estão modificando o comportamento dos turistas, tanto pela redução dos gastos como na busca de novas experiências de vida e na construção de novos relacionamentos. Os novos modelos de negócios permitem atender a nova expectativa dos turistas, a personalização das viagens. O desafio das cidades inteligentes é regular os serviços compartilhados para oferecer segurança de investimento aos cidadãos e segurança para os turistas.

O Brasil tem um enorme espaço para avançar no turismo. A América do Sul representa cerca de 2,5% do turismo internacional desde 2009. A participação do Brasil na América do Sul é de 22,0% e representa apenas 0,5% do turismo internacional, apesar de nossas belezas naturais, rica cultura e câmbio favorável.

O desafio para o crescimento do turismo é fomentar a criatividade dos empreendedores para explorar novas formas para atender as expectativas dos turistas. A tecnologia da informação contribui de forma direta para divulgar e agendar transporte, acomodações e compra de tickets para os eventos. Além disso, pode criar serviços para melhorar a experiência dos turistas nos eventos, sugerindo eventos paralelos como visitas a museus e jantares em restaurantes típicos.

A personalização do turismo já foi identificada por alguns hotéis que estão criando quartos temáticos para seus hospedes e investindo no atendimento personalizado como na entrega diária de jornais da preferência do hospede e até o tipo de travesseiro preferido.

O momento atual das empresas do setor de turismo é buscar a fidelização dos viajantes, até mesmo acima da receita. As startups estão trazendo soluções interessantes para o planejamento de viagens e fomentando o uso de serviços compartilhados. Um exemplo é a Tansler que permite que o viajante faça sua oferta de preço e competir com outros interessados, vencendo quem ofereceu o preço mais alto.

Obviamente, as ferramentas de turismo só são efetivas se houver eventos e atrações nas cidades. As cidades inteligentes exploram ao máximo as possibilidades de atrair turistas e aumentar a participação dos cidadãos. Por exemplo, as bibliotecas públicas podem criar eventos para contar histórias para as crianças de forma lúdica e teatral que podem ser transmitidas pela Internet, despertando o interesse das pessoas de visitarem a cidade em outra oportunidade.

Incluir os eventos, hotéis e outras facilidades para os turistas nos serviços online é fundamental para expandir a divulgação dos eventos.

Em resumo, as oportunidades no setor de turismo no Brasil são excepcionais e podem ser potencializadas com o uso da tecnologia da informação através de novos modelos de negócios compartilhados.

Deixe uma resposta